Grindr terá alarme pra lembrar de fazer teste de HIV

0
31

O aplicativo de encontros gays, Grindr, lançou uma nova ferramenta bastante útil: agora ele vai lembrar aos seus usuários da necessidade de se realizar o teste de HIV periodicamente.

A notícia é excelente visto que o público gay, principalmente os mais jovens, é o perfil onde o número de infecções voltou a crescer com força.

Embora existam mais heterossexuais do que homossexuais soropositivos no mundo, é importante considerar que, proporcionalmente, há mais gays do que héteros vivendo com HIV. Isso se deve principalmente à prática do sexo anal desprotegido ser o meio de transmissão mais fácil do vírus ser transmitido. (continua abaixo…)

(continua abaixo)

Vídeo novo:




(continua abaixo)

Vídeo novo:





Veja também:


Estima-se que 30% dos infectatados por HIV não saibam que tem o vírus. A importância de se realizar o teste regularmente é justamente porque as pessoas que tem HIV, sabem disso e se tratam, acabam com carga viral zero e NÃO TRANSMITEM O VÍRUS. O principal risco de transmissão está nas pessoas que tem o vírus e não sabe que tem. São estas que mais comumente, ao transar sem proteção, acabam transmitindo a infecção.

Melanie Thompson, da HIV Medicine Association, elogiou a iniciativa: “É difícil chegar nessas pessoas que mais precisam ouvir esta mensagem. Está claro que o Grindr tem a adesão de usuários que tem vida sexual ativa e eles precisam ser sempre lembrados da importância.”.

Além do lembrete de se realizar exames periodicamente, em associação com a organização CenterLink, o aplicativo está cedendo espaço de publicidade gratuita para locais que fazem testagem de HIV e outras ISTs, para tornar a tomada de decisões em fazer o exame mais prática para os usuários.

Já o diretor pela equalidade no Grindr, Harrison-Quintana, lembrou que o diagnóstico não é o único ponto a ser levado em consideração sobre HIV e AIDS. A profilaxia pré-exposição (PrEP) e a desestigmatização são, também, peças-chave: “Para populações estigmatizadas, o medo de receber o diagnóstico é tão grande que há aversão aos testes”, concluiu ele.


Veja também:


Comentários: